Home Patrimónios Língua Portuguesa: 20 palavras que não existiam (ou que não usávamos) em...

Língua Portuguesa: 20 palavras que não existiam (ou que não usávamos) em 1990

A língua portuguesa está em constante evolução e muda a um ritmo impressionante. Conheça 20 palavras que não existiam (ou não usávamos) em 1990.

477
0

_

15

20 palavras que não existiam (ou que não usávamos) em 1990
20 palavras que não existiam (ou que não usávamos) em 1990

Toda a gente sabe agora o que é um “telemóvel”, mas o aparelho (e por conseguinte a palavra) não existe assim há tanto tempo. “Telefone portátil, alimentado por bateria, que estabelece comunicação com outros aparelhos sem necessitar de uma ligação física fixa (cabo) à rede de telecomunicações.”

Com os avanços tecnológicos ocorridos entretanto, com iPhones, Androids e afins, fazer uma chamada telefónica por telemóvel é apenas uma das possibilidades do aparelho. Provavelmente, não a mais usada.

(O telemóvel também arrastou consigo palavras como sms, short message service, e o vício de as enviar. Um belo negócio.)

16

20 palavras que não existiam (ou que não usávamos) em 1990
20 palavras que não existiam (ou que não usávamos) em 1990

Alvos das maiores polémicas, os “transgénicos” dizem respeito a algo, na biologia, “a que foi acrescentado ou retirado um ou mais genes”.

E também se diz “do ser, geralmente planta, a que foi alterado o código genético”. Já se sabe que quem se mete com a manipulação da vida, hoje ou há 25 anos, estará sempre sujeito a muitas interrogações e retaliações.

17

20 palavras que não existiam (ou que não usávamos) em 1990
20 palavras que não existiam (ou que não usávamos) em 1990

É uma palavra russa que quer dizer “carruagem ou grande trenó russo, puxado por três cavalos”. Fomos recuperar o que escrevemos em Abril de 2011, na então revista Pública: “Alguns [dicionários] acrescentam que os cavalos ‘vão alinhados lado a lado’, outros dizem que vão ‘de frente’.

Nos mais recentes, já se introduz um novo sentido (sem animais): ‘Conjunto de três pessoas ou entidades, geralmente com uma finalidade política.’”

Dá para perceber. Só mais uma ideia: a palavra tornou-se popular na era estalinista na União Soviética, “quando troikas substituíam o sistema legal para perseguir rapidamente dissidentes contrários ao regime ou qualquer cidadão acusado de crimes políticos”.

A rapidez no julgamento desses cidadãos transformou-se “numa caça às bruxas, levando o medo ao país inteiro”. Pois…

18

20 palavras que não existiam (ou que não usávamos) em 1990
20 palavras que não existiam (ou que não usávamos) em 1990

Verbo que nasceu a partir da rede social de microblogging Twitter. Há quem opte pelo aportuguesamento (mais profundo ainda) “tuítar”. Traduz-se no envio e recepção de mensagens pessoais até 140 caracteres, os “tweets”, entre uma rede de contactos.

A dimensão da rede varia (como seria de esperar) com a relevância mediática ou profissional do assinante, mas a maior parte da vezes as mensagens não têm qualquer interesse para o mundo. Estados de espírito, como os que se multiplicam em muitos perfis de Facebook.

19

20 palavras que não existiam (ou que não usávamos) em 1990
20 palavras que não existiam (ou que não usávamos) em 1990

Foi uma boa notícia para a felicidade humana (sobretudo para a conjugal). Em Portugal, o medicamento viu a sua comercialização aprovada a 14 de Setembro de 1998, depois de se terem percebido as características vasodilatadoras do óxido nítrico produzido pelas células humanas.

“Os investigadores da Pfizer descobriram depois uma enzima que inibe a produção de óxido nítrico pelas células dos músculos do pénis. E descobriram também a principal arma para combater essa enzima: o citrato de sildenafil, que funciona como vasodilatador com funções primordiais na ereção do pénis”.

20

20 palavras que não existiam (ou que não usávamos) em 1990
20 palavras que não existiam (ou que não usávamos) em 1990

“Teleconferência que permite, além da transmissão da palavra e de documentos gráficos, a de imagens animadas dos participantes.” Parece óbvia e comum, para mais se pensarmos na atual facilidade em comunicar via Skype ou Hangout (Google).

O que poderia igualmente ter entrado nesta listagem de palavras que passámos a utilizar com frequência: airbag, Amazon, Anonymous, apps, banda larga, botox, cavaquistão, células estaminais, clicar, deck, descontinuar, desmaterializar, e-factura, fairplay, glasnost, iTunes, iPad, Jihad, LGBT, lipoaspiração, memorando, mp3, multimédia, música pimba, Outlook, papamóvel, perestroika, piercing, playstation, podcast, PowerPoint, requalificação, resgate, slow food, smartphone, spoiler, swaps, tablet, tsunami, vistos gold, vuvuzela, Wikileaks, workshop, etc.…

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.