Início Uncategorized Toalhas e bolas de praia no Museu de Arte Antiga?

Toalhas e bolas de praia no Museu de Arte Antiga?

Os Painéis de São Vicente a servirem de fundo para um videoclip dos Deolinda???

180
0
Corzinha de Verão
O que fariam aquelas cadeiras, toalhas e bolas de praia no Museu Nacional de Arte Antiga?
Corzinha de Verão
E os Painéis de São Vicente, um dos símbolos maiores da alma e da cultura portuguesa, a servirem de fundo para um videoclip dos Deolinda que canta nostalgias da praia e se chama mesmo Corzinha de Verão?

A alguns poderá ter parecido estranho… mas foi a estratégia de lançamento do 4º disco dos Deolinda, Outras Histórias. Estávamos então em Fevereiro de 2016.

Corzinha de VerãoCom letra e música de Pedro da Silva Martins, esta criação da banda de Ana Bacalhau surgiu enriquecida com as participações de Mário Costa (percussão), Eurico Amorim (hammond) e António Serginho (vibrafone).

Corzinha de Verão
À voz da líder do Grupo, os Deolinda juntaram-se na formação habitual: Pedro da Silva Martins (guitarra clássica e coros), Luís José Martins (machetes e coros) e Zé Pedro Leitão (contrabaixo, coros e pandeireta).

Porque é que o sol nunca brilha quando fico de férias
Fins de semana, ou nos meus dias de folga
Eu passo os dias a ver pessoas em fatos de banho
Calções e havaianas e eu sempre de camisola

E eu andei o ano inteiro, a juntar o meu dinheiro
Para esta desilusão
Dava todo o meu ouro por um pouco do teu bronze
Uma corzinha de verão

Vento, eu na praia a levar com vento
A rogar pragas e a culpar são pedro
que mal fiz eu ao céu
E vento, Juro imaginar bom tempo
Espalho o protetor solar e estendo o corpo no museu

Porque tudo conspira contra a minha vontade
Sim sim é verdade não estou a ser pessimista
É que a vizinha da cave é sempre a mais bronzeada
Trás um sorriso na cara e não sabe quem foi Kandinsky

E eu andei o ano inteiro, a juntar o meu dinheiro
Para esta desilusão
Dava todo o meu ouro por um pouco do teu bronze
Uma corzinha de verão

Vento, eu na praia a levar com vento
A rogar pragas e a culpar são pedro
que mal fiz eu ao céu
E vento, Juro imaginar bom tempo
Espalho o protetor solar e estendo o corpo no museu

O corpo no museu

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.