Home Patrimónios 50 Erros de Português que arruínam a sua credibilidade

50 Erros de Português que arruínam a sua credibilidade

A forma como escrevemos tem um impacto fundamental na nossa credibilidade. E nunca é tarde para aprender: 50 erros de português que podem arruinar a sua imagem.

2601
0

_

50 erros de Português que arruínam a sua credibilidade
50 erros de Português que arruínam a sua credibilidade

‘Em substituição de’ ou ‘ao contrário de’. – A locução em vez de significa ‘em substituição de’. Exemplo: “Em vez de enviar informação por e-mail, telefonei-lhe”. A palavra invés significa ‘lado oposto/avesso’, pelo que a locução ao invés de tem o sentido ‘ao contrário de’ ou ‘em oposição a’. Exemplo: “Ao invés de aumentar, o número de vendas diminuiu”.

50 erros de Português que arruínam a sua credibilidade
50 erros de Português que arruínam a sua credibilidade

Estivesse deriva do verbo estar e tivesse deriva do verbo ter. – Exemplo: “Se eu tivesse (ter) mais tempo e estivesse (estar) em Lisboa, gostaria de sair convosco”.

50 erros de Português que arruínam a sua credibilidade
50 erros de Português que arruínam a sua credibilidade

Verbo com dois particípios passados: imprimido (regular) e impresso (irregular). – Imprimir: Ter/haver imprimido | Ser/estar impresso. Aceitar: Ter/haver aceitado | Ser/estar aceite.

50 erros de Português que arruínam a sua credibilidade
50 erros de Português que arruínam a sua credibilidade

Varia consoante o contexto – Quando queremos expressar a ideia de que não existe relação ou correspondência, escrevemos nada a ver. Exemplo: “Uma coisa não tem nada a ver com a outra”. Nada haver surge como sinónimo de nada ter ou nada existir. Exemplo: “Fui-me embora por nada haver para fazer”.

50 erros de Português que arruínam a sua credibilidade
50 erros de Português que arruínam a sua credibilidade

‘Foste’ tu, ‘fostes’ vós. – Quando conjugamos verbos na segunda pessoa do singular do pretérito perfeito indicativo, a forma correta é foste. Exemplo: “Foste tu quem preparou o documento?”. Na segunda pessoa do plural do pretérito perfeito do indicativo, o verbo leva ‘s’. Exemplo: “Fostes vós…”.

50 erros de Português que arruínam a sua credibilidade
50 erros de Português que arruínam a sua credibilidade

Palavras que derivam do verbo perder. – ‘Perca’ chega a ser usado erradamente para expressar a ideia de perda. Exemplos: “É uma perda de tempo insistir nesse assunto”. “Espero que ele não perca muito tempo que esse assunto”.

50 erros de Português que arruínam a sua credibilidade
50 erros de Português que arruínam a sua credibilidade

Ambas estão corretas, dependendo do contexto em que são utilizadas – Quando o verbo informar surge seguido de dois complementos, devemos juntar-lhe ‘de que’, já que informamos alguém acerca de alguma coisa. Exemplo: “Informou a chefia de que chega amanhã”. Quando existe apenas um complemento (ou seja, a frase não refere a entidade que informamos), a preposição é omitida. Exemplo: “Informo que chego amanhã”.

50 erros de Português que arruínam a sua credibilidade
50 erros de Português que arruínam a sua credibilidade

Verbo haver ou contração de preposição com artigo definido. – Há é a terceira pessoa do presente do indicativo do verbo haver e pode ter o sentido de existir ou fazer. Exemplos: “Há várias opções de cor”, “A empresa funciona há 10 anos”. Refira-se que só se conjuga na terceira pessoa. À é a contração da preposição ‘a’ com o artigo definido ‘a’. Para saber se deve escrever à confirme a preposição antecede uma palavra no feminino singular e se pode ser substituída por ‘para’, ‘na’, ‘a uma’ ou ‘com’, entre outros. Exemplo: “A empresa presta serviços à escala global”.

50 erros de Português que arruínam a sua credibilidade
50 erros de Português que arruínam a sua credibilidade

Quando obrigado é usado como adjetivo, deve concordar com a pessoa que agradece. – Uma mulher deve escrever obrigada e um homem deve escrever obrigado.

50 erros de Português que arruínam a sua credibilidade
50 erros de Português que arruínam a sua credibilidade

Atenta na forma como se lê o ‘e’. – Escrevemos com ‘o’ todas as formas verbais em que a vogal ‘e’ da segunda sílaba se lê [ê]. Exemplo: “Não devo poder estar presente na reunião”. Escrevemos com ‘u’ as formas verbais em que pronunciamos o ‘e’ como [é]. Exemplo: “Se eu puder, estarei presente na reunião”.

(cont.)

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.