Home Cantos & Danças Cristina Branco recria “Construção” de Chico Buarque

Cristina Branco recria “Construção” de Chico Buarque

1651
2
Cristina Branco
Cristina Branco apaixonou-se pela canção de Chico Buarque.
Esta interpretação é um acto de amor!

Construção foi lançada pelo cantor e compositor brasileiro em 1971. Por muitos é considerada como uma das suas criações mais emblemáticas.

Cristina Branco
Cristina Branco apossa-se da canção, preenche-a com as sonoridades vocais que lhe são próprias, convoca uma guitarra, uma viola, um contrabaixo e um piano e vai na aventura de recriar melodia e palavras que tantos outros ensaiaram.

Vale a pena ouvir. E sentir!

Amou daquela vez como se fosse a última
Beijou sua mulher como se fosse a última
E cada filho seu como se fosse o único
E atravessou a rua com seu passo tímido
Subiu a construção como se fosse máquina
Ergueu no patamar quatro paredes sólidas
Tijolo com tijolo num desenho mágico
Seus olhos embotados de cimento e lágrima
Sentou pra descansar como se fosse sábado
Comeu feijão com arroz como se fosse um príncipe
Bebeu e soluçou como se fosse um náufrago
Dançou e gargalhou como se ouvisse música
E tropeçou no céu como se fosse um bêbado
E flutuou no ar como se fosse um pássaro
E se acabou no chão feito um pacote flácido
Agonizou no meio do passeio público
Morreu na contramão atrapalhando o tráfego

Amou daquela vez como se fosse o último
Beijou sua mulher como se fosse a única
E cada filho seu como se fosse o pródigo
E atravessou a rua com seu passo bêbado
Subiu a construção como se fosse sólido
Ergueu no patamar quatro paredes mágicas
Tijolo com tijolo num desenho lógico
Seus olhos embotados de cimento e tráfego
Sentou pra descansar como se fosse um príncipe
Comeu feijão com arroz como se fosse máquina
Dançou e gargalhou como se fosse o próximo
E tropeçou no céu como se ouvisse música
E flutuou no ar como se fosse sábado
E se acabou no chão feito um pacote tímido
Agonizou no meio do passeio náufrago
Morreu na contramão atrapalhando o público

Amou daquela vez como se fosse máquina
Beijou sua mulher como se fosse lógico
Ergueu no patamar quatro paredes flácidas
Sentou pra descansar como se fosse um pássaro
E flutuou no ar como se fosse um príncipe
E se acabou no chão feito um pacote bêbado
Morreu na contramão atrapalhando o sábado

 

2 COMMENTS

  1. Bom dia,Descobrir Portugal ;! Muito obrigada por esta maravilhosa canção ,eu acho lindíssimo ;como esta letra é enterpretado ;! todo o conjunto é uma delicia ;muitos parabéns a todos ,são maravilhosos ;1 eu gosto muito mesmo felicidades ao conjunto ;!

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.